Saiba porque o MMA virou uma febre

O MMA mal alcançou a fama, mas já gera conflitos e divisão de opiniões. Isso porque para muitos o MMA não passa de violência e pancadaria, mas para outros esse é um esporte sério, com técnica e profissionalismo.No entanto, independente das criticas, empresários e atletas não têm deixado de investir nessa luta.

Não é por acaso que hoje o MMA está por todos os lados. Quando você liga a TV, nas telas do cinema, em livrarias, em conversas na escola, no bar, no ambiente de trabalho e, principalmente, nas academias de ginásticas.
Segundo divulgações, o próximo torneio de UFC (forma com que é identificado um campeonato internacional de MMA) já está sendo planejado para o mês de junho e no Brasil.

Porém tudo dependerá do apoio dos patrocinados que ajudam a financiar essas disputas.

MMA BrasilMas a mídia e a indústria cultural têm ajudado. Tanto que em 16 de março ocorreu a estreia do documentário intitulado. “Anderson Silva: Como Água“. Produção sobre o ídolo brasileiro, conhecido como Aranha, que promete levar milhares de pessoas ao cinema.

Além disso, há a previsão de que em abril sejam lançadas tr~es obras sobre o universo do MMA: “Filho Teu Não Foge à Luta: como os lutadores brasileiros transformaram o MMA em um fenômeno mundial”, pela editora Intrínseca, “A Bíblia do MMA“, pela Universo dos Livros, e a autobiografia de Anderson Silva, pela Sextante.

Pode-se citar ainda a audiência dada ao MMA pelo personagem interpretado pelo ator Dudu Azevedo, na novel Fina Estampa, da rede Globo de Televisão. Na trama, Walace é um importante lutador de MMA que deve de abandonar o octógono devido a uma doença no coração, mas que no final conseguirá se superar. Mas não para por ai. Está sendo filmada a história de José Aldo, campeão dos pesos-pena, vivido na telona pelo ator amazonense, Malvino Salvador.

Por fim, o MMA também está fazendo sucesso entre o público feminino. Com ou sem a aprovação dos parceiros, o clube de lutadoras está crescendo. Em torneios nos EUA, as mulheres são 49% do público e no Brasil, são 37%.